Social

O projeto que visa um mar livre de plástico

Durante 18 meses toda a comunidade vai ser chamada a participar na batalha para reduzir drasticamente o uso de plástico na ilha que quer ser reserva da biosfera

O projeto visa a participação da população na batalha para a drastica redução do uso de plástico. Durante 18 meses, toda a comunidade irá ser chamada a ajudar garantindo o selo de qualidade para um Porto Santo Sem Plástico no Mar.

O projeto madeirense foi um dos seis selecionados para receber parte de um apoio de um milhão de euros disponibilizado através do concurso “Small Grants Scheme -Projetos para a prevenção e sensibilização para a redução do lixo marinho.

O projeto é constituído por 3 fases:

-Monitorização e identificação de fontes dos resíduos, quem os produz, qual a sua composição e como são geridos.

– Otimização da gestão desses resíduos.

– Redução radical do volume de plásticos descartáveis, de uso único, utilizados no Porto Santo, e gerir mais eficientemente aquele que vai continuar a ser utilizado.

De forma a facilitar o trabalho, os responsáveis pelo projeto irão ser auxiliados com uma aplicação digital, de forma a identificar os locais críticos de acumulação de resíduos e também os locais de recolha existentes, pedindo colaboração da população e visitantes a identificar os locais da ilha com mais concentração de plástico através da aplicação.

Um dos passos já definido, é a instalação no Porto Santo de uma máquina de entrega de garrafas de plástico, que dê a quem as deposite alguma forma de compensação.

Fonte: walkme

Depois, será acrescentado um plano de gestão comunitário, para cinco anos, sendo o seu sucesso dependente da participação de toda a comunidade.

Da WWF Noruega virão pessoas que irão participar num workshop de partilha de exemplos de sucesso e melhores práticas.

A terceira e última fase do projeto é aquela que aposta na redução efetiva e radical do uso de plásticos descartáveis. Está prevista uma forte ação de sensibilização e comunicação que chegue a todos os que vivem ou usufruam da ilha: moradores, empresários, pescadores, alunos e professores, operadores turísticos e visitantes, de forma a reduzir os resíduos e plásticos na natureza.

Este projeto pode ser o passo que o Porto Santo necessita para conseguir o ansiado título de Reserva da Biosfera.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button